Federação Paulista de Volleyball

FPV

Quatro equipes lutam pelas duas vagas restantes nas quartas

27 fev 2009

 


Fonte: CBV


 


Rio de Janeiro – Passada a folia, a Superliga Feminina de vôlei 08/09 está de volta. A competição entra na reta final da fase classificatória e o destaque da quarta rodada do quarto turno é o clássico entre Rexona-Ades (RJ) e São Caetano/Blausiegel (SP). A partida contará com cinco campeãs olímpicas. Do lado carioca, a líbero Fabi e a central Fabiana, e pela equipe paulista, a levantadora Fofão, a oposto Sheilla e ponteira Mari. O duelo será realizado na próxima terça-feira (03.03), a partir das 20h, no ginásio do Tijuca Tênis Clube, no Rio de Janeiro, com transmissão ao vivo do canal SporTV.


 


As equipes ainda não perderam neste quarto turno e o vencedor ficará muito próximo de assegurar a vaga do grupo A para a decisão desta etapa. O Rexona-Ades – campeão dos três primeiros turnos – quer chegar à mais uma decisão, enquanto o São Caetano/Blausiegel, depois de um começo instável, quer alcançar a primeira final. As equipes ocupam a primeira e a terceira colocação, respectivamente, na classificação geral, e já estão classificadas para as quartas-de-final.


 


A partida que abrirá a quarta rodada será disputada na segunda-feira (01.03). A Brasil Telecom (SC) – quarta colocada na classificação geral – jogará com o Mackenzie/Cia. do Terno (MG) – sexto lugar. O duelo das equipes já classificadas para os playoffs será na Arena Multiuso, em Brusque (SC), a partir das 18h30, e também será transmitido ao vivo pela Sportv.


 


Outros quatro jogos completarão a rodada na quarta-feira (04.03). O Minas Tênis Clube (MG) receberá o Finasa/Osasco (SP), já classificado. O time mineiro – sétimo colocado – luta por uma vaga entre os oito mais bem colocados e entrará em quadra a partir das 20h, na Arena Vivo, em Belo Horizonte. No mesmo horário, o Vôlei Futuro (SP) medirá forças com a Cativa/Pomerode (SC) – já sem chances de classificação -, no ginásio Plácido Rocha, em Araçatuba (SP). O time paulista é o 10o colocado e ainda sonha com um lugar nas quartas-de-final. Também às 20h, o Pinheiros/Mackenzie (SP) – já classificado e na quarta colocação – receberá o Sport/Maurício de Nassau (PE) – desclassificado -, no ginásio Henrique Villaboin, em São Paulo.


 


Às 19h30, Medley/Banespa (SP) e Praia Clube/Futel (MG) duelam num jogo decisivo para a pretensão das equipes na competição. O time paulista está na nona posição, enquanto o mineiro é o oitavo colocado. O duelo será no ginásio do Esporte Clube Banespa, em São Paulo.


 


Clássico de ouro


 


Com 28,07% de aproveitamento, o São Caetano/Blausiegel tem o ataque mais eficiente da competição até o momento. Mas para colocar as bolas no chão, o time paulista terá de superar o melhor bloqueio: o do Rexona-Ades, que tem 25,86% de aproveitamento. O time paulista ainda lidera o ranking do levantamento por equipes, com 27,98%. Já a equipe carioca é a segunda mais bem posicionada na defesa (44,13%).


 


Individualmente, o São Caetano/Blausiegel lidera cinco rankings. Entre as maiores pontuadoras, o destaque é a oposto Sheilla, primeira colocada com 312 acertos (247 de ataque, 39 de bloqueio e 26 de saque). Neste ranking a também oposto Joycinha, do Rexona-Ades, é a terceira colocada, com 305 acertos.


 


A campeã olímpica Sheilla também lidera os números no ataque, com 29,55% de aproveitamento. A ponteira Érika é a atleta mais bem posicionada do Rexona-Ades. A medalha de bronze nos Jogos Olímpicos de Sidney/2000 está na quarta colocação (26%). Sheilla também é a segunda colocada no saque, com 9,22% de sucesso.


 


No bloqueio, o destaque do Rexona-Ades é a central Fabiana. A mineira é a segunda colocada, com 26,96%, atrás apenas de Thaísa do Finasa/Osasco (28,30%).


 


A levantadora Fofão também brilha nesta Superliga. A jogadora lidera o ranking do levantamento, com 36,80%, e também o de defesa, com 52,55% de aproveitamento. A levantadora Dani Lins, do Rexona-Ades, está na terceira colocação no levantamento (24,20%) e na nona na defesa (44,02%). Na recepção, o destaque do São Caetano/Blausiegel é a líbero Suelen. A jogadora lidera, com 57,35% de eficiência.


 


Campeão dos três primeiros turnos da Superliga, o Rexona-Ades luta para chegar a mais uma decisão. Para isso, o time carioca precisará superar o São Caetano/Blausiegel, que também ainda não perdeu nesta etapa. “Será o jogo mais importante da nossa equipe neste quarto turno. Provavelmente será a partida que decidirá nossa classificação para a decisão do turno”, diz a meio-de-rede Carol Gattaz. Após a partida contra o time paulista, o Rexona-Ades terá a Brasil Telecom pela frente na última rodada da fase classificatória.


 


Apesar de o Rexona-Ades já estar garantido nas quartas-de-final, a central lembra que o time ainda precisa de ajustes. “Para chegarmos bem na reta final, ainda temos de ajustar um pouquinho de tudo. Tanto o Bernardinho (técnico) quanto toda a comissão técnica continuam estudando tantos os adversários quanto o nosso próprio jogo para ver que aspectos precisam evoluir”, conta Gattaz.


 


Sobre o adversário, Carol Gattaz diz que todo o cuidado é pouco. “O São Caetano/Blausiegel está em ascensão. A equipe melhorou um pouco a cada turno. É um time que conta com jogadoras muito experientes e perigosas”, avalia a jogadora.


 


Luizomar enfrenta suas “criaturas”


 


Na partida contra o Minas Tênis Clube, Luizomar de Moura, treinador do Finasa/Osasco, terá adversárias bem conhecidas do outro lado da quadra. Sob o comando do técnico, as atacantes Camila Paracatu e Priscila Daroit foram bicampeãs mundiais nas categorias de base da seleção brasileira. Em 2005, subiram ao lugar mais alto do pódio em Macau no Mundial infanto-juvenil e, dois anos mais tarde, em 2007, na Tailândia, mais uma vez conquistaram a medalha de ouro, desta vez do Mundial juvenil.


 


“O time do Minas, assim como o Finasa, é um clube que tem tradição de revelar talentos para o voleibol brasileiro. As jogadoras das categorias de base do Minas estão tendo a oportunidade de jogar nesta Superliga e estão aproveitando bastante esta chance. Elas jogarão sem a responsabilidade de uma vitória. Mesmo assim estarão motivadas para desempenharem um bom papel. Conheço bem estas atletas das categorias de base da seleção”, diz Luizomar de Moura, lembrando que Camila e Priscila estiveram nas seleções campeãs mundiais em 2005 e 20007.


 


O Finasa/Osasco aproveitou bem os dias de folga durante o Carnaval. “É sempre bom ter praticamente uma semana para só treinar no meio da Superliga. Foi muito proveitoso porque avaliamos o desempenho do time e trabalhamos em cima das nossas principais falhas. Espero que a equipe mostre uma resposta a esse trabalho nestes dois últimos jogos da fase classificatória”, avalia Luizomar, que terá o time do Pinheiros/Mackenzie como adversário na última rodada do quarto turno.


 


Paula deve voltar


 


Depois de dar um susto em todos do Finasa/Osasco, a ponteira Paula Pequeno – campeã olímpica em Pequim/2008 – deverá estar relacionada entre as 12 jogadoras inscritas para a partida contra o Minas Tênis Clube. Quem conta a novidade é o técnico Luizomar de Moura. “A Paula já foi liberada pelo departamento médico e vamos avaliar a sua situação e ver se ela terá condições de jogo. Mas é bem provável que ela esteja entre as 12 relacionadas”, diz o treinador.


 


Paula sentiu dores no joelho esquerdo e desfalcou o Finasa/Osasco nas três rodadas iniciais do quarto e último turno da fase classificatória da Superliga. A atacante não jogou nas vitórias contra Praia Clube/Futel, Sport/Maurício de Nassau e Medley/Banespa.


 


Do outro lado da quadra, o Minas Tênis Clube entra embalado em busca de uma vaga nas quartas-de-final. A equipe precisa vencer pelo menos um dos jogos restantes. Caso perca as duas partidas, ainda terá chances se tanto a Medley/Banespa quando o Vôlei Futuro perderem um dos seus jogos.


 


Estréia positiva


 


Esta é a primeira vez que o Praia Clube/Futel disputa uma edição da Superliga. E o time mineiro – campeão da Liga Nacional 2008 – está próximo de assegurar um lugar nas quartas-de-final da competição.


 


A equipe de Uberlândia terá a Medley/Banespa e o Sport/Maurício de Nassau pela frente nas duas últimas rodadas da fase classificatória. Para conseguir a classificação o time precisa vencer os dois jogos ou então ganhar um e torcer por um derrota da Medley/Banespa e do Vôlei Futuro em um dos seus dois próximos duelos.


 


Treinador do Praia Clube, Spencer Lee lembra que o primeiro desafio está próximo de ser alcançado. “Quando ingressamos na Superliga, traçamos um objetivo audacioso que era ficar entre os oito primeiros colocados. Praticamente durante toda a competição ficamos nesta colocação e estamos buscando permanecer nela ou terminar em sétimo lugar. E a expectativa é grande para atingir esta classificação. Se chegarmos nas quartas-de-final será um prêmio para todos os profissionais do Praia”, destaca Spencer.


 


Para o treinador, o momento é de assegurar a classificação e manter a competitividade. “Sempre estivemos bem posicionados nas estatísticas do saque e do passe. Talvez estes tenham sido os fundamentos que fizeram a nossa equipe ser competitiva. Precisamos continuar com esta eficiência”, observa Spencer Lee.


 


Mari Paraíba retorna ao Mackenzie/Cia. do Terno


 


Depois de desfalcar o Mackenzie/Cia. do Terno nas duas últimas duas derrotas, a ponteira Mari Paraíba poderá ser o reforço do time mineiro no jogo contra a Brasil Telecom. A atacante desfalcou a equipe nas derrotas para o Rexona-Ades e para o São Caetano/Blausiegel devido a uma tendinite.


 


“Estou bem melhor e pronta para voltar a atuar nessa reta final da competição. O tratamento continua e espero dar a minha contribuição para ajudar a equipe a garantir a sexta colocação”, declara a jogadora. Mesmo sem jogar nas duas últimas rodadas, Mari permanece entre as 10 maiores pontuadoras da Superliga. Com 235 acertos, a atacante está na 10a colocação, com 185 pontos de ataque, 35 de bloqueio e 15 de saque.


 

Veja também:

Rua Dr. Rafael de Barros, 596
CEP: 04003-043 - São Paulo, SP
(11) 3053-9560