Federação Paulista de Volleyball

FPV

Quatro equipes a uma vitória das semifinais no feminino

24 mar 2009

 


Fonte: CBV


Rio de Janeiro– Finasa/Osasco (SP), Rexona-Ades (RJ), São Caetano/Blausiegel (SP) e Brasil Telecom (SC) ganharam seus compromissos na primeira rodada da série melhor-de-três das quartas-de-final da Superliga Feminina de vôlei 08/09 e estão a uma vitória da classificação para as semifinais. Os três primeiros, além de contarem com a força de campeãs olímpicas, jogarão a segunda partida em casa. A missão dos adversários é vencer para forçar a decisão da vaga numa terceira partida.


Nesta quarta-feira (25.03), às 21h, o confronto entre São Caetano/Blausiegel e Mackenzie/Cia. do Terno (MG), no ginásio Lauro Gomes, em São Caetano do Sul (SP), abrirá a segunda rodada das quartas-de-final. O jogo terá transmissão ao vivo do canal Sportv 2.


No dia seguinte, quinta-feira (26.03), será a vez do Rexona-Ades receber o Minas Tênis Clube (MG), no ginásio do Tijuca T. C., no Rio de Janeiro. A partida começará às 18h30, com transmissão do Sportv. Um pouco mais tarde, às 20h, Pinheiros/Mackenzie (SP) e Brasil Telecom duelarão no ginásio Henrique Villaboin, em São Paulo.


Na sexta-feira (27.03), às 19h, o jogo entre Finasa/Osasco e Medley/Banespa (SP), no José Liberatti, em Osasco (SP), fechará a segunda rodada das quartas. A partida também terá transmissão ao vivo do Sportv.


Mackenzie/Cia. do Terno segue sem vencer o time do ABC paulista


O São Caetano/Blausiegel venceu o Mackenzie/Cia. do Terno no último jogo por 3 sets a 0. E o resultado positivo, além de assegurar a vantagem para o segundo duelo das quartas-de-final, serviu para a manutenção de um tabu: a equipe mineira ainda não conseguiu vencer o time paulista em jogos pela Superliga Feminina. No histórico do confronto, são cinco jogos, com cinco vitórias para o azulão.


Apesar do retrospecto favorável, Chicão, técnico do São Caetano/Blausiegel, não espera facilidade. “Vai ser um jogo difícil. Lá em Minas, o duelo não foi fácil. Nós é que entramos firmes e não demos chances para o adversário crescer. Agora, aqui em São Caetano, acredito que o Mackenzie/Cia. do Terno virá arriscando muito mais e, por isso, treinamos muito a defesa e a recepção”, diz Chicão.


Do outro lado, o treinador da equipe mineira, Sérgio Vera, já sabe o que tem de ser feito para tentar alcançar o resultado positivo.


“Tínhamos que ter ganho em casa, mas não conseguimos. Agora é partir para o tudo ou nada. Claro que não podemos nos desesperar, mas temos que forçar mais o jogo, arriscar mais no saque, caprichar no passe e acertar os contra-ataques. Nem tivemos folga, estamos treinando desde domingo”, afirma Sérgio.


Pinheiros/Mackenzie buscará a vitória em casa


Com duas vitórias em dois jogos na fase classificatória da 15ª edição da Superliga Feminina de vôlei, o Pinheiros/Mackenzie chegou para o primeiro jogo das quartas, contra a Brasil Telecom, com uma ligeira vantagem, por mais equilibrado que fosse o confronto. Desta vez, no entanto, o time catarinense conquistou a vitória, de virada, por 3 sets a 1.


“O Pinheiros/Mackenzie errou mais do que nos outros dois jogos desta temporada e nós erramos menos. Mas o confronto entre as duas equipes é sempre equilibrado e não tem favorito. Sabemos que é muito difícil vencer o adversário em São Paulo. Temos que trabalhar forte, ter humildade e manter a cabeça no lugar”, diz Maurício Thomas, técnico da Brasil Telecom.


Treinador do Pinheiros/Mackenzie, Paulo Coco sabe que o momento é decisivo e não pode vacilar. Em caso de derrota, a equipe estará fora da competição.


“As jogadoras estão conscientes de que não atuaram bem no primeiro jogo. Pecamos muito no sistema ofensivo e desperdiçamos bons contra-ataques. Agora, temos que manter a cabeça no lugar e buscar a vitória em casa. Sabemos que este é um momento delicado e decisivo da competição”, atesta Paulo.


Minas Tênis Clube segue desfalcado para o confronto contra o Rexona-Ades


Depois de perder a ponteira Ivna, sua principal estrela, o Minas Tênis Clube está sendo obrigado a conviver com mais um problema de contusão. A levantadora Dani Fagundes, que desfalcou o time na primeira partida das quartas-de-final, ainda não terá condições de jogo para o confronto da próxima quinta-feira.


“A Dani Fagundes está com estiramento na panturrilha e não volta contra o Rexona-Ades. A previsão é de que se recupere em três semanas. Ela é uma das jogadoras mais experientes da equipe e, por isso, faz muita falta”, afirma Jarbas Soares, técnico do time mineiro.


O treinador enfatizou a necessidade de mudança de postura por parte da equipe. “Temos que ter mais atitude e confiança. Estamos treinando muito bem, mas na hora do jogo o time sente a pressão e a responsabilidade. Temos de ter mais coragem. Respeitamos demais a equipe do Rexona-Ades”, analisa Jarbas.


Em situação bem diferente e com a vantagem de ter ganho o primeiro duelo por 3 sets a 0, o time carioca terá tranquilidade para buscar a vitória em seu ginásio.


“Tomara que consigamos repetir o desempenho da primeira partida, quando estivemos bem no bloqueio. Não podemos achar que o jogo vai ser fácil. O time do Minas é jovem, mas com potencial. Temos de tentar imprimir o nosso ritmo desde o início do jogo”, diz a levantadora Dani Lins.


A esperança que vem do saque


Quando o time adversário possui atacantes do nível de Paula Pequeno, Sassá, Natália e Thaísa, ele exige cuidados. E foi exatamente isso o que faltou à Medley/Banespa no primeiro jogo das quartas-de-final, quando a equipe foi derrotada, em casa, pelo Finasa/Osasco, por 3 sets a 0.


“Nossa maior deficiência na primeira partida foi o saque. Temos que trabalhar bastante este fundamento e sacar melhor. As jogadoras do Finasa/Osasco tiveram o passe na mão o tempo todo e, como possuem ótima atacantes, ficava difícil para o nosso time. Temos que dificultar a recepção do time adversário para irmos em busca de um resultado positivo”, analisa Alê Rivetti, técnico da Medley/Banespa.


Líbero do Finasa/Osasco, Camila Brait alerta para o elevado número de erros de sua equipe. “Estamos errando muito e cedendo pontos ao adversário. Temos que melhorar e viemos treinando forte para isso. A equipe vai entrar motivada e consciente de que uma vitória nos garante nas semifinais”, afirma Camila.

Veja também:

Rua Dr. Rafael de Barros, 596
CEP: 04003-043 - São Paulo, SP
(11) 3053-9560