Federação Paulista de Volleyball

FPV

Cimed/Malwee enfrenta Bonsucesso/Montes Claros na final

23 abr 2010

 


Fonte: CBV


Time catarinense derrota Pinheiros/Sky por 3 sets a 1 e chega à quinta final consecutiva na história da competição


 


Rio de Janeiro – A Cimed/Malwee (SC) disputará a quinta final consecutiva da Superliga Masculina de vôlei. Nesta quinta-feira (22.04), o time catarinense derrotou o Pinheiros/Sky (SP) por 3 sets a 1, parciais de 25/23, 23/25, 25/16 e 25/20, em 1h54 de jogo, no ginásio Henrique Villaboin, em São Paulo. Como venceram o primeiro duelo em Florianópolis, por 3 sets a 2, os atuais campeões da competição fecharam a série melhor-de-três das semifinais da edição 09/10 em 2 jogos a 0.


 


Com o resultado, a Cimed/Malwee enfrentará o Bonsucesso/Montes Claros (MG) na decisão do título no próximo dia 1º de maio (sábado), no ginásio do Ibirapuera, em São Paulo. O time mineiro eliminou o Sada Cruzeiro.


 


A Cimed/Malwee buscará o tetracampeonato da Superliga. Na sua quinta temporada de existência, a equipe catarinense buscará o quarto título. Foi campeã nas temporadas 08/09, 07/08 e 05/06. Na edição 06/07, ficou em segundo lugar. Já o Bonsucesso/Montes Claros disputará sua primeira decisão e tentará repetir o feito da própria Cimed/Malwee, que foi campeã na temporada que estreou na Superliga (05/06).


 


Marcos Pacheco: “nossos garotos jogaram com a alma”


 


Em sua terceira temporada à frente da Cimed/Malwee, o técnico Marcos Pacheco chega a terceira final. Após a vitória, o treinador exaltou o astral do time catarinense em quadra.


 


“Foi um jogo duro. O Pinheiros/Sky é um timaço. A Cimed é uma equipe nova. Tem apenas cinco anos de existência e disputará sua quinta decisão. Nossos garotos jogaram com a alma e com o coração. A Cimed é uma grande família, os meninos são muito dedicados e a comissão técnica é maravilhosa”, festejou Pacheco.


 


O treinador lembrou ainda da qualidade técnica do Pinheiros/Sky, que tem no elenco três campeões olímpicos: Giba, Gustavo e Rodrigão. Pacheco lembrou também que a Cimed/Malwee soube respeitar a tradição da equipe adversária.


 


“Disse para o time que não podíamos respirar contra o Pinheiros. Ao olharmos para o outro lado, víamos uma equipe com jogadores excelentes, com uma história fantástica de conquistas. Mas a Cimed soube respeitar o adversário e lutar pelo vitória. Agora, precisamos baixar a cabeça e pensar na grande final”, disse Pacheco.


 


O jogo


 


O Pinheiros/Sky começou melhor, utilizando as jogadas rápidas pelo meio e pelas pontas (8/6). Mas a Cimed/Malwee dificultou o passe do time paulista com um saque forçado, e a equipe catarinense virou e abriu (14/10).


 


O Pinheiros/Sky não se abateu em quadra e foi buscar o placar. A equipe paulista voltou a equilibrar a partida, com destaque para o ponteiro Giba, no ataque e no saque. Os donos da casa diminuíram a vantagem catarinense para apenas um ponto (20/19). No entanto, a Cimed/Malwee continuou a frente e contou com as defesa e os ataques do oposto Bob para fechar a parcial em 25/23.


 


O Pinheiros/Sky não se abateu com a derrota, voltou arrasador para a segunda parcial e marcou 7/3 no início do set. A Cimed/Malwee ainda reagiu e encostou (7/6). Mesmo assim, o time da casa foi mais eficiente no bloqueio e errou menos. O Pinheiros/Sky chegou a marcar 17/14, mas a equipe catarinense, aproveitou-se do excessivo número de erros do time paulista, e encostou (17/16).


 


Num bloqueio do ponteiro Renato, a Cimed/Malwee empatou o placar (20/20). Mas a experiência de Giba fez a diferença a favor do Pinheiros/Sky. Com três pontos consecutivos o ponteiro, a equipe paulista marcou 25/23 e devolveu o placar do set anterior.


 


A Cimed/Malwee chegou à frente no primeiro tempo técnico do terceiro set: 8/4. O Pinheiros/Sky não conseguiu encontrar o bom ritmo de jogo da parcial anterior. Com fragilidade na recepção e com vários erros no saque, o time paulista não fez frente à equipe catarinense, que manteve o dobro de ponto dos adversários (16/8). A Cimed/Malwee administrou a diferença e marcou 25/16, após de um erro do oposto Léo, do Pinheiros/Sky, que deu dois toques na bola um único lance.


 


A equipe catarinense começou o quarto set no mesmo ritmo do anterior e marcou logo 3/0. A Cimed/Malwee chegou a marcar 8/6, mas o Pinheiros/Sky reagiu e empatou em 10/10. Com um volume de jogo maior do que o dos adversários, os atuais campeões da Superliga chegaram à segunda parada técnica com dois pontos de diferença (16/14).


 


O Pinheiros/Sky se abateu em quadra e cometeu erros bobos no ataque. Com isso, a Cimed/Malwee administrou o placar e, no bloqueio de Éder sobre o cubano Roca, selou a vitória ao marcar 25/20.


 


Desgastado, Bruno comemora a “proeza” da Cimed/Malwee


 


Após a vitória, o levantador Bruno, da Cimed/Malwee, confessou que a partida foi desgastante psicologicamente.


 


“Foi um jogo complicado. Numa partida como essa, o levantador precisa pensar muito estrategicamente. Estou desgastando, cansado. Precisei pensar o tempo inteiro como driblar um time que tem Rodrigão, Gustavo e Giba. Tive que estar sempre à frente deles no pensamento”, disse Bruno.


 


Para o levantador, a Cimed/Malwee conseguiu uma verdadeira proeza ao se classificar para mais uma decisão.


 


“Chegamos à quinta final consecutiva. Isso é uma verdadeira proeza porque chegamos à decisão batendo um time fortíssimo como é o do Pinheiros”, encerrou o medalhista de prata dos Jogos Olímpicos de Pequim/2008.


 


Um dos destaques da Cimed/Malwee, o oposto Bob já previu qual será o clima da decisão e relatou o que fez a diferença nas semifinais.


 


“Vai ser, no mínimo, um jogo eletrizante. Será um grande espetáculo tanto por parte da Cimed quanto da equipe de Montes Claros. A Cimed é um time novo, mas acostumado a disputar títulos. E, na hora da decisão, isso pesa”, destaca Bob, que, com 19 pontos, foi o atleta que mais pontos marcou na Cimed/Malwee.


 


Giba lamenta erros no contra-ataque


 


Bicampeão mundial (2002 e 2006), campeão olímpico em Atenas/2004 e medalha de prata nos Jogos de Pequim/2008, o ponteiro Giba foi o maior pontuador da partida, com 21 acertos. Após a partida, o atacante lamentou as falhas do Pinheiros/Sky.


 


“Fica difícil encontra explicação após uma derrota como essa. É bastante complicado. O time não soube equilibrar o duelo e matar o jogo nos dois primeiro sets. Soubemos defender e propiciar os contra-ataques. Mas não fomos eficientes nesses contra-ataques”, avaliou Giba.


 


O ponteiro elogiou ainda a atuação do levantador Bruno, da Cimed/Malwee. “O Bruno taticamente jogou muito bem. Ele soube distribuir as jogadas com eficiência. Além disso, os ponteiros deles também tiveram boas atuações”, destacou Giba.


 


Esta foi a temporada de estreia do Pinheiros/Sky na Superliga. O time paulista lutará pela medalha de bronze contra o Sada Cruzeiro (MG). A partida será disputada na casa da equipe mineira, em data e local a serem definidos.


 


EQUIPES


 


PINHEIROS/SKY – Marcelinho, Léo, Giba, Roca, Gustavo e Rodrigão. Líbero – Felipe


Entraram – Kid, Joel, Aureliano e Pablo


Técnico – Cebola


 


CIMED/MALWEE – Bruno, Bob, Thiago Alves, Renato, Éder e Lucão. Líbero – Mário Jr.


Entraram – Thales, Ialisson e Jamelão.


Técnico – Marcos Pacheco


 

Veja também:

Rua Dr. Rafael de Barros, 596
CEP: 04003-043 - São Paulo, SP
(11) 3053-9560